Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 20 de novembro de 2019 Hora Certa 03h09

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Veja também

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

18/06/2019 08:25:00

Congresso Luso-Brasileiro: Palestras magnas de Marcos Cintra e Henrique Meirelles enaltecem trabalho dos Fiscos federal e estadual


Foto: Michelle Santana

As palestras magnas do primeiro dia do Congresso Luso-Brasileiro foram ministradas pelo secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles, e pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, em 17/6, no Maksoud Plaza Hotel, localizado em São Paulo/SP. As explanações traçaram cenários da política tributária nacional nos níveis estadual e federal.

Henrique Meirelles. Em seu discurso, Meirelles ressaltou que o “Fisco é fundamental para que o Estado cresça e funcione” por seu papel basilar que, por meio da fiscalização e arrecadação, garante recursos para frentes essenciais como a saúde, segurança, educação, assistência social, infraestrutura e transporte.

O palestrante citou desafios do Fisco no Estado de São Paulo no sentido da modernização da administração tributária diante das novas tecnologias, da morosidade de alguns processos e para melhorar o potencial de arrecadação. Ele citou frentes de ação como a ampliação de serviços oferecidos aos contribuintes; busca por maior rapidez na concessão de inscrições estaduais; velocidade  na detecção de fraudes; e aprimoramento das ações de monitoramento fiscal.

Frente às necessidades de otimização do Fisco em São Paulo, Meirelles destacou a implementação do Programa de Estímulo à Conformidade articulado pela Secretaria da Fazenda e Planejamento, que engloba ações contundentes de cobrança para recolhimento de débitos declarados e não pagos.

Meirelles ainda falou do objetivo de estabelecer convênios de cooperação entre os Fiscos estaduais para combater a sonegação em operações interestaduais, como simulações para reduzir o ICMS recolhido, a geração de créditos fictícios, aplicação de alíquota menor e não aplicação de Substituição Tributária.

Os Auditores Fiscais da Receita Federal demonstraram surpresa com a fala do secretário, porque ele nunca manifestou interesse em implantar medidas similares em nível federal, no período em que foi ministro da Fazenda do governo Temer.

Marcos Cintra. O secretário da Receita Federal do Brasil iniciou sua palestra enfatizando que, desde que assumiu o cargo, deparou-se no órgão com uma “estrutura de formidável competência técnica” que tem muito a contribuir para o País em questões fundamentais. Para Cintra, a principal pauta a ser levada adiante é a Reforma Tributária, pois ajustes já eram previstos desde a Constituição de 1988. Várias tentativas de reforma ocorreram ao longo dos anos, sempre se deparando com entraves políticos.

Para Cintra, a legislação tributária atual “é complexa, mal construída, burocratizada e ultrapassada”, pois foi um modelo criado para outra realidade econômica, não comportando mais as necessidade e dinâmicas atuais. Nesse novo contexto, há questões que desfiam a tributação federal, como o conceito de territorialidade de certas movimentações financeiras e tipicidade de produtos, entre outros.

Marcos Cintra aponta que o contexto para implementação de uma Reforma Tributária é favorável, pois legislativo e executivo estão trabalhando juntos no projeto da PEC 45/2019. No entanto, é um processo mais demorado, por causa do modelo federativo nacional. Ou seja, o debate precisa ocorrer com os Estados e com os 5.570 municípios. “É um debate complexo e longo, mas é um bom combate. O País não pode passar por essa legislatura sem fazer a Reforma Tributária.

O secretário Marcos Cintra sinalizou que o objetivo é, paralelamente à tramitação da PEC 45, acelerar ajustes fundamentais na política tributária. Por isso devem ser feitas reformas pontuais englobando aspectos que competem apenas à esfera federal. Entre os pontos citados a serem pleiteados, estaria a discussão de um Imposto sobre Movimentação Financeira, chamado de Imposto sobre Pagamentos por Marcos Cintra, que traria a possibilidade de desoneração da contribuição previdenciária da folha de pagamento, ainda contemplando o sistema de repartição que caracteriza a Previdência Social.

 

 

Leia também:

Congresso Luso-Brasileiro: Palestrantes falam do papel da tributação no combate à pobreza e redistribuição de renda

Congresso Luso-Brasileiro debate Reforma Tributária

Professor da FGV Ghirardi fala sobre Fisco, pacto social e cidadania

Secretário-executivo do Ciat fala sobre Administrações Tributárias na América Latina

Simplificação do sistema tributário é consenso entre especialistas

Começa o 4º Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]