Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 30 de setembro de 2020 Hora Certa 06h20

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Veja também

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

10/03/2020 15:20:00

TCU virou Tribunal de Controle Universal



Título: TCU virou Tribunal de Controle Universal
Publicação: Folha de S.Paulo
Autor: Conrado Hübner Mendes
Data: 18/3/2020

 

Gilmar Mendes baixou em Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Dias atrás, em decisão monocrática, Dantas determinou que a lei que ampliou o Benefício de Prestação Continuada (o BPC, auxílio financeiro que atende grupos vulneráveis da população, como idosos e pessoas com deficiência) não tem eficácia até que se cumpram os requisitos financeiros previstos na Constituição.

A decisão tem cara de controle de constitucionalidade, tem fundamento de controle de constitucionalidade, tem efeito prático de controle de constitucionalidade, mas ganhou licença poética em contabilês: “controle da regularidade da execução da despesa”. E ainda exalou o aroma da soberba monocrática, aquele senso de indiferença ao plenário sob pretexto da urgência da decisão.

Há três questões principais que permeiam o episódio. Não se misturam: primeiro, se o Congresso, ao expandir o BPC, foi responsável do ponto de vista fiscal; segundo, se o TCU pode vestir chapéu de STF e controlar a lei; terceiro, se um ministro do TCU, sozinho, pode fazê-lo (e prevalecer sobre o voto de 302 deputados e 45 senadores).

A primeira suscita debate sobre contas públicas e seguridade social. A resposta não tem relevância para as outras duas, que demandam atenção urgente. O risco de fundo é o Tribunal de Contas da União se converter em Tribunal de Controle Universal, aquele que bota a mão na cumbuca de qualquer outro ente estatal a título genérico de proteção do erário público. É nessa direção que tem caminhado nos últimos tempos.

O TCU é órgão auxiliar do Congresso Nacional e tem dever de fiscalizar as contas da União. Isso se desdobra em múltiplas competências específicas. Nos últimos anos, o tribunal se agigantou para além do que se entendia ser sua missão constitucional.

O movimento ocorreu sem clareza de critérios, consistência e previsibilidade. Decisões casuísticas passaram a gerar paralisia em administradores e ineficiência na gestão pública.

No campo da regulação econômica, por exemplo, o TCU tem se colocado como instância revisora de agências reguladoras setoriais (como telecomunicações), desenhadas para ter autonomia em relação a interesses do Estado, de empresas e de usuários. Ao se fazer uma superagência reguladora multissetorial, sem clara previsão constitucional, e sem oferecer segurança jurídica, tornou contratos públicos mais custosos, não o contrário.

No campo do combate à corrupção, entrou em queda de braço com a Controladoria-Geral da União e com o Ministério Público Federal na celebração de acordos de leniência, que permitem a empresas infratoras colaborar na investigação de corrupção. Ajudou a colocar em xeque a lógica do instrumento.

O TCU começa agora a dar passos mais contundentes e estabanados no controle da própria lei. Vai construindo um perfil institucional que lembra o STF, com o requinte da arbitrariedade individualista. Mas é pior.

Ao contrário do STF, o TCU está longe dos holofotes públicos. A falta de transparência e escrutínio da nomeação de ministros, o obscurantismo de agenda e a inexistência de canais de participação abrem avenidas largas para o abuso de poder. Até o método de distribuição de casos a relatores é esotérico. Compromete imparcialidade e facilita conflito de interesses.

No caso da lei do BPC, bastou a representação de secretário do Ministério da Economia, em vez de agente de maior calibre do governo, para provocar decisão de tamanha envergadura institucional.

Por razão desconhecida, o governo preferiu não ir ao STF. Enxergou no TCU um atalho. Não precisou mobilizar o presidente e sua máquina jurídica, bastou um secretário de ministério. Percebeu que, sem os mesmos ônus de argumentação, e sem expor-se ao STF, havia oportunidade pouco explorada para o governo se sobrepor a decisão do Congresso ali mesmo, num órgão do próprio Congresso.

O TCU é um animal político em fase de crescimento. Com fachada de tribunal, pose de tribunal, mas sem sua arquitetura e visibilidade. Tem feito o que não pode e ido aonde não deve. Melhor Congresso e STF ficarem ligados.

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]