Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 10 de julho de 2020 Hora Certa 06h16

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Veja também

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

27/05/2020 16:00:00

Deputados do Chile aprovam taxar grandes fortunas para fortalecer combate ao Covid-19



Título: Deputados do Chile aprovam taxar grandes fortunas para fortalecer combate ao Covid-19
Publicação: Diálogos do Sul
Autor: Diálogos do Sul
Data: 27/5/2020

 

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou nesta terça-feira (26) um projeto de taxação das grandes fortunas - que atinge em cheio banqueiros, especuladores e a casta empresarial - para financiar uma nova renda mínima de emergência durante a pandemia da Covid-19. A proposta é cobrar de uma única vez 2,5% da nata dos recursos de 1% que concentra 22,6% da riqueza nacional.

“Por uma grande maioria, foi aprovado na Câmara de Deputados e Deputadas um projeto de acordo que solicita ao presidente Sebastián Piñera um Imposto aos Super Ricos de 2,5% para uma Renda Familiar de Emergência. A proposta é viável, agora o presidente deve responder”, tuitou Karol Cariola, do Partido Comunista do Chile, autora da iniciativa. Enquanto isso, a enfermidade já causou oficialmente mais de 800 mortes e 80 mil contagiados, números considerados expressivos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para uma população de 17,9 milhões de habitantes. 

Na avaliação da deputada, o resultado de 85 votos a favor, 40 abstenções e apenas 19 contra reflete a compreensão do parlamento da gravidade do momento que está mergulhado o país, que tem se traduzido em cinco mil novos casos diários do novo coronavírus.

“Com uma arrecadação de cerca de US$ 6 bilhões é possível sustentar uma Renda Básica emergencial acima da linha de pobreza (US$ 520 ou 419.851 pesos chilenos para um grupo familiar de três pessoas) por seis meses, sem fazer distinção entre trabalhadores formais e informais”, defendeu Cariola, frisando que “isso beneficiaria quase 4.000.000 (quatro milhões!) de pessoas, certamente um grande alívio para as famílias que hoje estão angustiadas e precisam da ajuda de seus compatriotas". 

“Se o Estado foi usado para enriquecer pequenos grupos privilegiados próximos de Pinochet e desenhar com eles um novo mapa de extrema riqueza no Chile, por que não vamos usar o Estado, através de um imposto, para redistribuir essa riqueza?”, questionou Cariola. 

Nuevo Mundo 

"Precisamos de uma renda familiar de emergência", afirmou a deputada Karol Cariola, do Partido Comunista, autora do projeto (Nuevo Mundo) 

Até o momento, cerca de 500 mil chilenos perderam seus empregos ou tiveram seus salários reduzidos. Sem perspectiva, as manifestações de rua têm sido cada vez mais frequentes e massivas, mesmo na periferia da capital, Santiago, que concentra 90% dos casos e onde a população está de quarentena.

Citando a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o economista Thomas Piketty, Cariola lembrou ainda que na Europa, até se discute “um imposto sobre a riqueza líquida de 1% dos contribuintes mais ricos da União Europeia pelo período de 10 anos”. “No Chile, estamos falando de um imposto que chegaria a menos do 1% mais rico e apenas uma vez. Não há desculpas para se opor”, ressaltou. 

O Panorama Social para a América Latina de 2019 da Cepal “relata o aumento da concentração da riqueza, e em consequência a forte expansão da desigualdade que afeta os países latino-americanos”.

Ampliando apoios 

O projeto ganhou apoios de vários setores da oposição, como os deputados Matías Walker (DC), Alexis Sepúlveda (PR), Manuel Monsalve (PS) e Andrea Parra (PPD). Da Frente Ampla, a deputada Gael Yeomans (Convergência Social) também se somou, entendendo a necessidade da iniciativa. 

A presidenta da Central Unitária de Trabalhadores do Chile, Bárbara Figueroa, afirmou que é essencial ampliar a pressão pela imediata aprovação do projeto e romper com a camisa de força neoliberal. “Não podemos seguir subsidiando a política deste modelo de não querer gastar mais para não meter a mão no bolso dos super ricos. Hoje chegou o momento de falar de um imposto, ainda que seja transitório, às grandes fortunas para enfrentar a crise”.

“Para garantir a quarentena nacional ou regional necessitam ser assegurados os ingressos para as famílias porque não basta a beneficência de lhes ser levada uma caixa de alimentos. As famílias querem é dignidade e para isso é preciso recursos que superem a linha da pobreza, que se assegurem que não sigam perdendo salários nem empregos”, acrescentou a líder sindical.

O fato, ressaltou Luis Mesina, porta-voz da Não mais Administradoras de Fundos de Pensão (No+AFP), “é que passados 30 anos da tirania de Pinochet continuamos tendo a pior distribuição de renda, com 12 multimilionários que se apoderam do nosso dinheiro”. “Há uma desigualdade brutal e uma alta concentração da riqueza, pois os grandes grupos econômicos usam nossa poupança, nossa humanidade, nossas vidas para financiarem seus projetos espúrios”, declarou. 

Diante do tsunami de manifestações que sacudiu o país em 2019 e a brutalidade de uma repressão policial e militar que custou os olhos de centenas de jovens, um plebiscito constitucional foi convocado pelo Parlamento, com a reprovação ao desgoverno chegando a superar os 80%.

Em função da pandemia, a votação teve de ser adiada, mas os protestos voltaram desde a semana passada, principalmente nos bairros periféricos de Santiago, como El Bosque e La Pintana, com força para denunciar que as famílias chilenas não estão podendo contar sequer com as magras ajudas financeiras e cestas básicas prometidas para enfrentar a quarentena. Contra a demagogia de Piñera, os moradores voltaram a bater panelas nos últimos dias e a erguer cartazes com os dizeres “Prefiro morrer de Covid-19 do que de fome”. 

 

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]