Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 18 de outubro de 2018 Hora Certa 01h00

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

02/08/2018 09:48:00

Seminário traz reflexão sobre os desafios do sistema tributário brasileiro



Na abertura do Seminário da Unafisco Nacional Os Desafios para o próximo Governo: Justiça Fiscal e Combate à Sonegação e à Corrupção, que ocorreu em 1º de agosto, no teatro do hotel Maksoud Plaza, em São Paulo/SP, todos os ilustres convidados foram unânimes ao destacar a relevância dos temas tributários inseridos no evento, sobretudo considerando a atual conjuntura política do País.

Apoiadores do evento e presenças. Nesse momento, ao lado do presidente da Unafisco Nacional, Kleber Cabral, marcaram presença os representantes das seguintes entidades que apoiaram a iniciativa da Unafisco: presidente da Associação dos Agentes Fiscais de Renda do Estado de São Paulo (Afresp), Rodrigo Keidel Spada; diretor da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Alan Rogério Mansur Silva; diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), Eurico Marcos Diniz; presidente da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), Juracy Braga Soares Júnior; presidente do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT), Ricardo Mariz de Oliveira; presidente do Sindicato dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo (Sinafresp), Alfredo Maranca. Representando o governador do Estado de SP, Márcio França, participou o secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho. Ainda no período da manhã, prestigiou o evento o deputado federal Major Olimpio (PSL/SP).

 

 

 

Roberto Augusto DaMatta. A palestra que abriu o evento foi a do antropólogo e professor da PUC/Rio e da Universidade de Notre Dame, Roberto Augusto DaMatta. Ele falou sobre a Relação entre os brasileiros e o Estado: Visão antropológica do cidadão contribuinte.            

 

 

Roberto DaMatta apresentou conceitos fundamentais para a compreensão de como o brasileiro entende o seu próprio papel social. Um deles é que todos os papeis sociais, sejam adquiridos ou vocacionados, enfatizam os direitos obtidos com essas representações sociais, sem dar o mesmo enfoque nos deveres. Como exemplo, ele citou que alguém toma “posse” de um cargo, isto é, se apodera dele.

O antropólogo, filho de um agente fiscal do imposto de consumo, ainda disse que há duas éticas no País, que de certa forma norteiam a maneira de como concebemos o Brasil. Existe a ética do Estado-Nacional e a da Sociedade e Cultura. A primeira é a da Constituição escrita e promulgada, das leis e dos partidos. Já a segunda penetra mais no âmago de cada habitante, porque diz respeito aos valores e hábitos do coração, que são decisivos na hora de direcionar um comportamento, mesmo de forma inconsciente.

Outra relação feita pelo professor foi entre casa e rua. Para favorecer os de casa me desdobro. “Faço porque é meu amigo, minha neta, etc.” Mas os da rua são anônimos. Tal pensamento acaba produzindo imensos contornos: “o Estado é que se serve da sociedade, e não o contrário.” Essa discrepância salta aos olhos de todos, porque “não dá para esconder” isso em nossos dias.

Uma sociedade que se pensa desigual permanece fragmentada e sem força para se desenvolver como nação. Enquanto acharmos que apenas o outro é que pode “ficar numa fila”, não veremos país nenhum, pelo menos na prática. A grande saída, diz DaMatta, é embarcar na igualdade.

 

Julio Cesar Vieira Gomes. Quem falou sobre o Histórico do Refis e arrecadação dos programas foi o Auditor Fiscal da RFB Julio Cesar Vieira Gomes, que é doutorando e mestre em Direito Tributário, e julgador na Delegacia de Julgamento do Rio de Janeiro. A grande quantidade de números trazida por ele não deixa a menor dúvida: o Brasil só tem a perder se ficar de Refis em Refis.

Nos últimos 18 anos o País lançou 40 Refis! Imagine a expectativa daqueles que estão em dívida com o Leão. Ao rolarem a dívida, alguns chegam a parcelar em 240 meses. Como isso não bastasse, muitos ainda conseguem “a redução de 100% da multa.” Detalhe: não importa o comportamento do contribuinte. Ele pode migrar para outros parcelamentos mesmo não estando em dia com os compromissos assumidos.

Nem é preciso dizer que esse prazo alongado para o pagamento das dívidas tributárias é por si mesmo atraente, sobretudo para as grandes empresas. Em vez de pagarem, aplicam os recursos no mercado financeiro. É ganho na certa. O efeito altamente devastador disso é que desmotiva muito o pagamento de tributos espontâneo. “Como consequência, observa-se um crescimento real expressivo do passivo tributário, de R$ 1,1 trilhões em 2013 para R$ 1,6 trilhões em 2016, ou seja, R$ 500 bilhões deixaram de ingressar nos cofres públicos justamente quando houve quatro reaberturas do prazo para adesão.”

Existe ainda o aspecto danoso da renúncia fiscal. De 2000 até hoje, os juros e multas cancelados somaram a astronômica cifra de R$ 176 bilhões, o que corresponde a 60% da dívida original, segundo o Auditor Julio Gomes. Outro dado surpreendente trazido pelo palestrante: o governo não apresentou nenhum estudo sequer a respeito dos impactos ocasionados pelos Refis. Não há uma única linha afirmando que o Refis, de fato, seja um bom negócio para o País.

Os prejuízos não param por aí. “Por causa das renúncias fiscais, os frágeis e dependentes orçamentos dos Estados e municípios deixaram de arrecadar com repasses da União e tributos próprios R$ 18 bilhões e R$ 13,45 bilhões, respectivamente.” É muito dinheiro escoando para o ralo.

 

Vasco António Branco Guimarães. O doutor em Direito Financeiro e Tributário e jurista do Centro de Estudos Fiscais da DGCI de Portugal, Vasco António Branco Guimarães, ministrou sobre o Impacto dos Parcelamentos Especiais no comportamento dos contribuintes. Segundo ele, o Brasil acumula, atualmente, uma dívida ativa de R$ 2 trilhões. Ele apresentou algumas razões para que se chegasse a tal montante.

De acordo com Vasco, a baixa taxa de juro moratória “convida” o contribuinte a prorrogar o pagamento de suas dívidas. Outro motivo citado por Vasco são os sucessivos Refis. O palestrante destacou que não é razoável permitir que o contribuinte com “folha suja” se beneficie de parcelamentos especiais. “O sistema tributário incentiva um comportamento errado, que corrompe.”

O jurista elencou possíveis soluções para esses temas, entre elas, que os parcelamentos especiais sejam concedidos com garantia bancária, sendo a taxa de juro moratória agravada para a média da taxa bancária de empréstimo, com acréscimo.

Vasco também apontou mais uma distorção do sistema tributário do País. De acordo com ele, ao mesmo tempo em que o sistema é composto por diversas taxas, impostos e contribuições, não é tributada parte importante da riqueza brasileira, os serviços. Ele afirma que 80% da riqueza do Brasil são os serviços, mas que a tributação sobre o ISS não chega a 2%.

 

Kleber Cabral. Com o tema Os desafios estruturais no âmbito da Receita Federal, Kleber Cabral, Auditor Fiscal da Receita Federal e presidente da Unafisco Nacional, começou sua apresentação destacando a relevância de se tratar os temas da sonegação e da corrupção de forma conjunta.

“Enquanto os prejuízos anuais da sonegação giram em torno de 500 bilhões de reais, a corrupção é de 200 bilhões. Mas, infelizmente, a sonegação é uma prática muito mais permissiva do ponto de vista da sociedade”, explicou.

Para ele, uma série de práticas devem ser extintas do ordenamento jurídico brasileiro para enfrentar a sonegação, entre elas, a extinção de punibilidade para quem efetua o pagamento da dívida fiscal, permitido desde a Lei 9.249/1995. O presidente da Unafisco destacou ainda como o quadro foi agravado com o surgimento dos Refis, a partir da Lei 9.964/2000, que impossibilitou a punição com o mero parcelamento da dívida.

Outros pontos salientados por Kleber foram os impactos negativos da MP do Petróleo, além das graves consequências da chamada Lei de Repatriação brasileira (13.254/16), que permite a anistia penal e tributação reduzida sobre ativos no exterior. Segundo ele, quem aderiu à lei não teve apenas seus crimes anistiados, mas também contou com benefícios tributários.

O tema do Contencioso Tributário no País também ganhou destaque na sua explanação. “A gente chama de ‘contencioso premiado’, porque há um excesso de instâncias e um modelo sem paralelo no mundo, com processos que giram em torno de 20 anos, muito mais que o tempo médio [de vida] das empresas”.

Como propostas de enfrentamento para esses problemas, Kleber citou que haja maior autonomia funcional dos Auditores Fiscais, um sistema tributário mais simples e justo, além da necessidade de fortalecimento da Receita Federal. Sobre o último ponto, ressaltou a gravidade dos cortes orçamentários no órgão. “A Receita Federal tem essa função de ser sustento do próprio Estado.”

Os projetos de lei PLS 423 e o PLS 425, de autoria da Unafisco Nacional e aprovados por unanimidade na CPI da Previdência, foram destacados como medidas importantes para atenuar os problemas estruturais do Fisco brasileiro. O primeiro aumenta as penas e elimina, no caso de pagamento do tributo devido, a possibilidade de extinção de punibilidade dos crimes contra a ordem tributária. O segundo estabelece regras de anistia, remissão, transação e parcelamento dos créditos tributários.

 

Leia também:

Seminário da Unafisco: Regras de transição para servidores anteriores à EC 41/03 serão mantidas e Refis desaparecerá, garante Ciro Gomes

Seminário da Unafisco: Procurador Deltan Dallagnol destaca aprendizado interinstitucional transmitido pela Receita Federal

Seminário da Unafisco: Benefícios fiscais, planejamento tributário e concorrência desleal

Seminário da Unafisco: 'Instituições transparentes combatem a corrupção', diz Fabiano Angélico, da Transparência Internacional Brasil

Seminário da Unafisco: Reforma Tributária e Desafios para tributação sobre consumo

Seminário da Unafisco: R$ 400 bilhões foram desviados da Previdência para infraestrutura, diz promotor de Justiça Paulo Penteado

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 91,45.
Para pensionistas: R$ 68,59.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]