Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 21 de maio de 2019 Hora Certa 07h33

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

15/03/2019 16:26:00

Mauro Silva no Estadão: As alternativas de Guedes para seu trilhão de reais



Título: Alternativas para Guedes para seu trilhão de reais
Publicação: Estadão
Autoras: Mauro Silva
Data: 15/3/2019

 

Se a principal razão para a cruzada do ministro da Economia é arrumar o número mágico do trilhão de reais para a Previdência, Paulo Guedes tem como atingir essa meta de maneira mais equilibrada e sem promover um massacre nos direitos previdenciários dos trabalhadores, como previsto no modelo apresentado pelo governo à sociedade.

Há outras fontes socialmente mais justas para se conseguir tal economia aos cofres públicos nos próximos dez anos e, assim, como profetiza o ministro, “abrir o caminho para o crescimento econômico sustentado e o desenvolvimento”.

Em vez de propor a busca pelo trilhão do massacre desses direitos – a idade mínima para se aposentar aos 65 anos; a necessidade de trabalhar por 40 anos para se aposentar com 100% da média dos salários contribuídos no período, a redução do Benefício de Prestação Continuada para R$ 400 para quem tiver 60 anos de idade ou mais, permitindo que somente aos 70 anos o idoso tenha o direito de receber um salário mínimo; o aumento do tempo de contribuição para o trabalhador rural de 15 para 20 anos com idade mínima de 60 anos, entre outras medidas -, o ministro Paulo Guedes tem à sua disposição outras alternativas.

O caminho passa por priorizar a receita, negligenciada desde o governo Dilma Rousseff, abandonando a fracassada obsessão caolha de combater a despesa previdenciária. A mais urgente providência é combater firme e duramente a sonegação da casta empresarial e financeira do país. A sonegação das contribuições para a seguridade social foi de R$ 225,82 bilhões, em 2018, 27% da arrecadação total. Diante desse número, é perfeitamente factível que, caso a Receita Federal seja orientada para uma atuação firme, alcançaremos uma redução de 30% da sonegação. O ministro Guedes já teria nos próximos dez anos R$ 677,50 bilhões à sua disposição, sendo que isso representaria um aumento de apenas 8,1% na arrecadação atual anual.

Outra fonte seriam os R$ 7,6 bilhões anuais, ou R$ 76 bilhões no período, que o governo prevê ganhar com o combate às fraudes, previstos na medida provisória 871. Em dez anos, é possível ainda obter, dentro de um cálculo conservador, R$ 111,8 bilhões com o fim definitivo da concessão dos parcelamentos especiais (Refis) para as contribuições da seguridade social, segundo cálculos oficiais.

Como a Receita Federal admite que perde R$ 18,7 bilhões com a arrecadação voluntária geral advinda da expectativa pelo Refis e considerando que 60% da arrecadação federal é de contribuições para a seguridade social, o fim dos Refis já permitiria garantir R$ 11,18 bilhões anuais de arrecadação. Outros R$ 298,6 bilhões sairiam de um corte nos benefícios fiscais das contribuições para a seguridade social, que poderia ser de apenas 20% do total anual de R$ 149,3 bilhões, um índice facilmente implementável. Com essas medidas, teríamos adicionados recursos para a seguridade social da ordem de R$ 1,16 trilhão, em dez anos, sem que para isso os pobres e a classe média fossem penalizados por uma reforma feita sem discussão com a sociedade.

Mas para isso, o ministro Paulo Guedes teria que bater na porta dos sonegadores e grandes devedores, muitos dos quais fazem parte do público de quem ele costuma buscar legitimidade e confiança: os representantes do capital, grandes interessados no bilionário mercado da capitalização.

 

*Mauro Silva, diretor de Defesa Profissional e Assuntos Técnicos da Unafisco Nacional

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]