Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 21 de julho de 2019 Hora Certa 02h02

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

19/06/2019 14:54:00

Congresso Luso-Brasileiro: Professor da FGV Ghirardi fala sobre Fisco, pacto social e cidadania


Foto: Michelle Santana

O que devemos uns aos outros: Fisco, pacto social e cidadania foi o tema da palestra ministrada, em 17/6, pelo professor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), José Garcez Ghirardi, que integrou o primeiro ciclo de exposições do 4º Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais, realizado de 16 a 19/6, pela Unafisco Nacional e outras entidades, na capital paulista.

Ghirardi iniciou sua explanação explicando que o Fisco não é somente uma questão contábil, mas de poder. “Quando analisamos a carga tributária, quem paga mais, como paga, nós temos a estrutura de poder de uma sociedade. O fisco mostra exatamente como são distribuídas as forças e a correlação delas dentro da sociedade. Ao olhar bem de perto, ele mostra as nervuras do poder (...). Acho que parte da dificuldade do trabalho dos senhores [Auditores Fiscais] é analisar essa estrutura, o funcionamento real do poder.”

Seguindo esse raciocínio, ele contextualizou a relação entre Estado e desigualdade ao longo da história. De acordo com o palestrante, na Idade Média, quando a sociedade sofre forte influência da Igreja, a desigualdade tem como papel principal fomentar a caridade. “É importante que alguns sejam pobres e outros sejam ricos, porque os pobres são ocasião para os ricos exercerem a caridade e ganharem o reino dos céus. E os pobres têm de sofrer com paciência as privações desse mundo e assim também poder ganhar o reino dos céus. Ninguém pensa que é dever do Estado redistribuir riqueza (...) É uma ação religiosa e política, não tributária.”

De acordo com Ghirardi, no século 19, ocorre a quebra desse paradigma do dever de caridade, mas ainda não existe a visão de que é uma obrigação do Estado redistribuir riqueza. “Basicamente, o [pagamento do] imposto era visto como a retribuição pela estrutura que as pessoas utilizavam [oferecidas pelo poder público].”

Apenas após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) é que a sociedade muda sua visão sobre os impostos e as atribuições do Estado. Há uma noção de solidariedade e responsabilidade coletiva em relação a todos que lutaram e ficaram impossibilitados de trabalhar e terem uma vida digna, conforme explica o palestrante. Existe a “transformação da noção de tributo, agora como uma questão essencial de justiça social. Basicamente, o tributo vai  tentar suprir as necessidades de quem não pode trabalhar. É quando surge a Seguridade Social. A república tem por obrigação cuidar dos seus filhos.”

Ao falar sobre a atualidade, o professor destacou, entre outros pontos, que há uma desconfiança cada vez maior em relação ao Estado, porque hoje o indivíduo contribui, mas não vê retorno dos impostos pagos. “Por isso este debate é tão importante. O fisco está no coração da discussão de pautas coletivas. Discutir o fisco é discutir o pacto social, é discutir ônus e bônus, distribuição de oportunidades e limitações. Não é à toa que é tão difícil fazer uma reforma tributária. Porque não estamos falando somente de dinheiro, mas de estruturas profundas de poder.”

 

Leia também:

Congresso Luso-Brasileiro: Palestrantes falam do papel da tributação no combate à pobreza e redistribuição de renda

Congresso Luso-Brasileiro debate Reforma Tributária

Secretário-executivo do Ciat fala sobre Administrações Tributárias na América Latina

Simplificação do sistema tributário é consenso entre especialistas

Palestras magnas de Marcos Cintra e Henrique Meirelles enaltecem trabalho dos Fiscos federal e estadual

Começa o 4º Congresso Luso-Brasileiro de Auditores Fiscais

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]