Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 19 de agosto de 2019 Hora Certa 10h35

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

12/08/2019 17:13:00

'Governo pesou a mão contra os servidores na Reforma da Previdência', diz Mauro Silva na CDH do Senado



O presidente da Unafisco Nacional, Mauro Silva, foi um dos participantes da audiência pública para debater “Previdência e Trabalho, com foco na atual proposta de Reforma da Previdência”, que reuniu representantes do governo e de sindicatos, em 5/8, no Senado. O encontro faz parte de um ciclo de debates promovido desde o primeiro semestre pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) sobre as consequências da Reforma da Previdência (PEC 6/2019) sobre trabalhadores, servidores, aposentados e pensionistas. O texto-base da Reforma foi aprovado em dois turnos na Câmara e segue para o Senado para votação.

Mauro Silva destacou que o governo “pesou a mão” contra os servidores na Reforma da Previdência com lei complementar que pode extinguir o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), drástica redução das pensões por morte e por incapacidade, pedágio de 100% sobre o tempo que faltar para ter direito à aposentadoria integral, idade mínima para se aposentar, mudança das alíquotas de contribuição previdenciária, instituição por lei de contribuição extraordinária para servidores federais se o regime próprio demonstrar déficit atuarial e redução do abono de permanência.

Na audiência pública, o presidente da Unafisco destacou a previsão de uma lei complementar, inserida no texto-base da PEC 6/2019, que pode extinguir o RPPS. No trabalho parlamentar na Câmara, os diretores da Unafisco chegaram a questionar deputados líderes de bancada sobre a lei, mas eles justificaram que ela foi feita para municípios e não para a União. Segundo Mauro, qualquer ente federativo vai ser atingido por essa lei complementar e em nenhum momento foi dito aos servidores que o regime seria extinto. 

“O que não pode é a pessoa passar 25, 32, 33 anos da sua vida programando sua vida dentro de um regime próprio e de repente ele é sacado desse regime próprio sem a sua vontade. Ele é jogado em um regime de previdência complementar de maneira obrigatória, é isso que estão propondo. Você vai para um regime de previdência complementar mesmo que falte um ano para você se aposentar, basta que se aprove a lei”, criticou Mauro.

Outro tópico da Reforma abordado pelo debatedor foi o pedágio de 100% sobre o tempo que faltar para ter direito à aposentadoria integral e a exigência de idades mínimas de 60 anos para homens e 57 mulheres. Para esclarecer como isso será aplicado na prática, Mauro utilizou o exemplo de um servidor que tem 30 anos de trabalho e faltam cinco para se aposentar, mas com o pedágio teria que cumprir mais dez anos de trabalho. Ele citou ainda o caso de servidores que faltam dois anos para atingir os 35 anos de contribuição e terão que trabalhar mais quatro para cumprir o tempo exigido. No entanto, se nos dois casos eles não tiverem completado 60 anos (homens) e 57 (mulheres) terão que continuar a trabalhar para cumprir a regra de idade mínima.

Com relação à pensão por morte que terá uma redução de 40%, no caso de instituidor aposentado, o presidente da Unafisco disse que é uma tragédia que atinge tanto os pensionistas do RPPS como o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e que certamente será melhor discutido no Senado. No encontro, ele mostrou um vídeo da nova campanha de TV produzida pela Unafisco Nacional, em parceria com o Sindifisco Nacional, veiculado no canal GloboNews, para assinantes da Net, no intervalo dos programas Bom Dia Brasil (SP, DF e RJ), Jornal das Dez (DF) e Estúdio i (DF), mostrando como as pessoas que hoje estão apoiando a Reforma vão mudar de opinião quando perceberem a situação. “Quando as pessoas forem olhar o quanto elas estão sendo individualmente prejudicadas, em sua grande maioria, esse sentimento de apoiamento vai mudar”, falou.

Nem mesmo o abono de permanência, direito adquirido por muitos servidores, ficou de fora da PEC 6/2019, de acordo com o presidente da Unafisco. Ele falou que os servidores, que tenham cumprido os requisitos para aposentadoria voluntária e permanecem trabalhando, poderão ter o valor do abono reduzido a partir da data de entrada em vigor de lei prevista na emenda constitucional. “Quem já recebe abono, que na minha opinião já estaria protegido,  se vier uma lei e disser agora é só metade da contribuição, seria reduzido. Isso está explícito no texto, há essa ofensa ao direito adquirido”, enfatizou.

Mauro também criticou o conceito equivocado de déficit atuarial utilizado pelo governo como justificativa para alterar as alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores para 14% e  a instituição por lei de contribuição extraordinária para servidores federais por até 20 anos.  Para demonstrar que a noção de equilíbrio atuarial do governo é totalmente equivocada e o modelo atual de previdência é sustentável, ele utilizou o exemplo de um sistema em que pessoas ingressariam somente 18 anos de idade e contribuiriam durante 55 anos, com 30% de alíquota, e o empregador, por sua vez, entraria com 60%. Se o levantamento de déficit atuarial, nos moldes defendidos pelo governo, for feito no ano 56 esse sistema haverá déficit atuarial, apesar da notória sustentabilidade. Isso, segundo Mauro Silva,  demonstra o equívoco do conceito.

Segundo ele, o problema grave é que o governo pega os futuros pagamentos de aposentadoria e os recebimentos de contribuição para fazer o cálculo, esquecendo tudo o que já foi pago pelos servidores. “Nós temos Notas Técnicas mostrando que, desde 94, contribuindo com 11% e os 22% que a União tem que contribuir, ele paga tranquilamente a sua aposentadoria. Eu fiz esse cálculo com a inflação, com a Selic e o INPC de cada ano, paga tranquilamente, sobra recursos ainda”, enfatizou.

Abaixo, assista à explanação do presidente Mauro Silva na íntegra.

 

 

Leia também: 

Presidente Mauro Silva no Senado: 'Proposta atual de reforma significará o fim da Previdência, afirmam debatedores'

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]