Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 18 de outubro de 2019 Hora Certa 07h09

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

01/10/2019 11:22:00

Simpósio em SP: Eduardo Moreira diz que é preciso conter danos da Reforma da Previdência


Foto: Martha Alves

Servidores públicos e especialistas em Economia e Direito debateram “A Reforma da Previdência Pública e os seus efeitos jurídicos, econômicos e sociais”, em 25/9, no auditório da Procuradoria Regional da República, da 3ª região, no centro de São Paulo. Participaram do simpósio o economista Eduardo Moreira; o presidente da Associação e Sindicato Nacional dos Funcionários do Ipea (Afipea), José Celso Cardoso Junior; o delegado da Polícia Federal da Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros, Fabrício de Souza Costa; a advogada especialista em Direito Previdenciário e coordenadora do Movimento Acorda Sociedade (MAS), Dirce Namie Kosugi, entre outros.

O presidente da Afipea, José Celso Cardoso Junior, afirmou que é importante entender a Reforma da Previdência (PEC 6/2019) como parte de um conjunto mais amplo de reformas em curso simultaneamente. Segundo Cardoso Junior, elas configuram uma tentativa de alterar profundamente o quadro institucional sobre o qual estava se construindo a possibilidade de desenvolvimento brasileiro a partir da Constituição de 88. “A reforma da previdência, sobretudo aquela que está sendo agora proposta para os próprios servidores, é uma reforma que faz parte desse arranjo mais geral de desmonte do Estado, das políticas, e da própria capacidade burocrática de processar, desempenhar as suas funções”, disse.

O delegado da Polícia Federal, Fabrício de Souza Costa, reclamou que ninguém se recorda de ter visto a planilha do governo com as contas onde aparece o déficit da previdência. Ele falou que todas as vezes que conversa com políticos e pergunta sobre a Desvinculação de Receitas da União (DRU), mecanismo que permite ao governo federal usar livremente 20% de todos os tributos federais vinculados por lei a fundos ou despesas, ninguém consegue responder se isso foi considerado ou não nessa conta. No caso da DRU, a principal fonte de recursos são as contribuições sociais, que respondem a cerca de 90% do montante desvinculado.  “É muito complicado você admitir que precise separar um percentual deste valor dessas fontes de custeio para bancar outras despesas que não sejam a seguridade social”, disse.

Costa ressaltou ainda que o servidor público recolhe a contribuição previdenciária sobre o valor total do seu salário e não para de contribuir quando se aposenta, diferentemente do trabalhador do Regime Geral de Previdência Social (RGPS).  Ele explicou como isso é ignorado nas discussões e o tema repetido pela mídia é que o servidor é privilegiado, um estorvo e um peso para o Estado, quando na verdade não é assim. “A pessoa que recebe pelo regime geral se aposenta e para de contribuir. O servidor público não, ele vai até o fim da vida”, enfatizou.

Para o economista Eduardo Moreira, é importante entender que seguridade social não é um gasto, mas um direcionamento de recursos para pessoas que por algum motivo não podem contribuir com a sua força de trabalho para poder gerar a riqueza que precisam para sobreviver. “As pessoas simplesmente atingiram a data de validade delas para oferecer a força de trabalho em troca de riqueza, e nós temos data de validade”, ressaltou.

Com relação a idades mínimas para aposentadoria de 65 para homens e 62 para mulheres, Moreira questionou se as pessoas no Brasil realmente têm essa condição tão mais favorável para a data de validade delas ter mudado tanto assim. De acordo com ele, essa resposta não é tão simples porque talvez a resposta mais correta seja de quais pessoas estão falando. Ele explicou que 90% da economia, que será feita ao longo dos próximos 20 anos, atingirá pessoas do Regime Geral da Previdência Social (RGPS), que recebem abono salarial ou Benefício Assistencial ao Idoso (BPC). “Nenhuma [pessoa] ganha mais que o teto do RGPS que é de R$ 5.800, aliás menos de 1% ganha R$ 5.800. A média ganha menos de R$1.500”, disse.

O economista criticou também as mudanças propostas pelo abono salarial pago para quem tem renda de até dois salários mínimos e discordou do argumento do governo de que mais de 90% das pessoas beneficiadas estão acima da linha da pobreza. Ele enfatizou que o abono é um prêmio para o trabalhador formal pobre e a linha da pobreza é muito abaixo do salário mínimo. Para Moreira, é um absurdo o governo dizer agora para essas 12 milhões de pessoas que não vão mais receber cerca de R$ 100 por mês para economizar R$ 7 bilhões por ano, o lucro líquido em três meses do maior banco do Brasil. “Cem reais desequilibram totalmente o orçamento familiar mais pobre. A partir do ano que vem, quando elas tiverem que viver com menos R$ 100, onde é que vão pegar esse dinheiro? Nos bancos e com taxa de 300% ao ano, dívida de 300% é impagável, se tornarão escravos do sistema financeiro”, disse.

Moreira falou que dificilmente o texto da Reforma da Previdência não vai passar, por isso  é preciso ver os maiores absurdos para tentar conter danos. Segundo o economista, o primeiro deles é a adoção de idade mínima para aposentadoria especial de quem trabalha em atividades exercidas sob condições especiais que prejudicam a saúde ou a integridade física. “Essas pessoas simplesmente bateram no prazo de validade. Se elas trabalharem mais que isso elas morrem, elas têm sequelas pelo resto da vida”, destacou.

O economista criticou ainda os cortes consecutivos na base de cálculo da pensão por morte na Reforma da Previdência que levam à drástica redução da renda. Moreira apontou ao menos quatro cortes, um em cima do outro, na pensão por morte que atingem as mulheres, que representam 86% das pessoas que recebem o benefício no Brasil.  De acordo com ele, o primeiro redutor é no cálculo da média de todos os salários que o trabalhador tinha no momento da aposentadoria, ao invés dos 80% maiores atualmente, um corte que vai ficar entre 3% a 7% dependendo de como eram os 20% menores salários. O segundo corte parte de 60% da aposentadoria dele e não mais 85% como acontecia antes. Ele explica que o terceiro redutor é que, quando a viúva recebe o benefício, ela tem o corte dos 60%  de novo em cima desses 60% da aposentadoria dele e do corte das médias. Já a quarta redução é de 20% no mínimo se ela tiver qualquer outra fonte de renda. “ No dia seguinte que o marido morre como que ela vai equilibrar as contas dela se eram os dois? Ela vai tirar o prato de comida do marido, é essa a economia que vai ter?” questionou Moreira.

Outra regra considerada absurda pelo economista é a da idade mínima para as pessoas, que ainda não entraram no sistema de trabalho, ir de 15 para 20 anos. Para exemplificar o problema, o economista usou casos de dois trabalhadores que ganharam uma média de R$ 2.000 ao longo de 15 anos, mas um deles trabalhou mais cinco anos recebendo R$ 1.000 e contribuindo em cima disso. Segundo Moreira, a média de salário de R$2.000 vai dar R$ 1.200 para cada um. “Ao colocarem um artigo [na PEC] para consertar, tudo o que você contribuiu abaixo da sua média pode ser jogado fora e não usa para nada, é o que está escrito”, alertou Moreira.

A advogada Dirce Namie Kosugi falou sobre as regras de transição da Previdência Social e como um novo regime previdenciário não pode reger a totalidade de uma relação previdenciária iniciada antes de sua vigência, pois fere direitos, garantias individuais e de segurança jurídica. Na opinião da advogada, as regras de transição foram criadas para viabilizar a alteração de um regime jurídico, sem violação de direitos e garantias fundamentais, não se confundindo com o mesmo.

Dirce afirmou que teve acesso a dados do governo levantados recentemente por uma entidade, demonstrando que não há base no sentido da privação do governo de que não é possível seguir em frente sem fazer a Reforma da Previdência. “Isso é assustador porque na realidade caracteriza inconstitucionalidade de toda essa proposta de reforma na íntegra. Tudo o que se justifica com base nessa falta de financiamento para que a gente consiga continuar no sistema como ele está seria inconstitucional”, explicou.

A advogada também falou ser a favor de trabalhar para que todas as classes consigam seus direitos devido a princípio da isonomia porque, a partir do momento que grupos conseguem seus direitos reconhecidos, é possível recorrer e buscar esses benefícios. Ela também se posicionou contra o ataque a determinadas classes de profissionais dizendo que um foi beneficiado e outro não. “ Essas classes estão buscando no Congresso e a nós cabe também buscar para chegarmos até os direitos que lhes foram concedidos e de repente até ultrapassá-los”, afirmou.

Sobre os direitos previdenciários na proposta de Reforma da Previdência, Dirce afirmou que eles estão sendo massacrados, especialmente o das mulheres. Para a advogada, há meios de reverter futuramente danos da reforma no judiciário porque isso é absurdamente inconstitucional e fere vários direitos fundamentais. “A questão é nós teremos um judiciário realmente empenhado na defesa dos nossos direitos, um [Supremo Tribunal Federal] STF comprometido com a defesa da Constituição Federal? Porque o nosso futuro vai depender disso”, enfatizou.

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]