Unafisco - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil
São Paulo, 23 de fevereiro de 2020 Hora Certa 07h58

ÁREA RESTRITAÁREA RESTRITA

esqueci minha senha

Notícias Principais

Tamanho da Fonte    -A   A   +A
  • Compartilhe

  • Imprimir

14/02/2020 16:03:00

Audiência no Senado: Presidente da Unafisco alerta que é necessário aperfeiçoar MP 899/19


Foto: Cristiano Eduardo

O presidente da Unafisco Nacional, o Auditor Fiscal Mauro Silva, alertou sobre a necessidade de aperfeiçoamento do relatório da Medida Provisória da transação tributária (MP 899/2019) para evitar conflitos com o Código Tributário Nacional (CTN), durante sua participação como debatedor na audiência pública da comissão mista que analisa a renegociação de dívidas tributárias com a União. O debate, conduzido pelo presidente da comissão, senador Luiz Pastore (MDB/ES), teve a presença do relator da matéria, deputado Marco Bertaiolli (PSD/SP), tendo ocorrido na Ala Senador Alexandre Costa, do Senado Federal, em 13/2, às 9 horas.

Participaram também do debate a Auditora Fiscal  Adriana Gomes Rêgo, presidente do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf); o assessor jurídico do Ministério da Economia, Felipe Aguiar; o procurador-geral da Dívida Ativa da União e FGTS, Cristiano Neuenschwander Lins de Morais; o procurador federal, Fábio Munhoz; o Auditor Fiscal Sandro de Vargas Serpa, subsecretário da Tributação e Contencioso da Receita Federal, e o diretor do Departamento de Patrimônio e Probidade da Procuradoria Geral da União, Vanir Fridriczewski.

Com a MP 899, o governo federal pretende estabelecer requisitos para regularização de débitos fiscais e a resolução de conflitos fiscais entre contribuintes e União com a concessão de parcelamentos especiais por meio de programas de refinanciamento de dívidas, como o Refis. O principal problema é que, se não forem corrigidos pontos do relatório, a MP corre o risco de criar novos Refis que, na prática, concedem prazos e descontos considerados excessivos a todos os que se enquadram nas normas criadas.

O presidente da Unafisco Auditor Fiscal Mauro Silva falou que o texto da medida provisória não está trazendo todas as definições necessárias às modalidades de transação e não nivela as competências da Procuradoria-Geral da Fazenda e da Receita.

Aperfeiçoamentos. Na avaliação de Mauro, há enormes chances de o Judiciário impedir a aplicação da lei que resultar da MP 899. “A autoridade administrativa deve estar adstrita aos limites da lei, o que é pequeno valor, o que é controvérsia, tem que haver limites claros na lei. Senão, quem sofrerá é o  contribuinte”, explicou.

Segundo Mauro, há omissões na MP 899 que trazem insegurança jurídica, como a falta das definições do que é dívida ativa irrecuperável ou de difícil recuperação, esvaziamento patrimonial fraudulento  relevante e disseminada controvérsia jurídica e crédito de pequeno valor. “Essas definições sendo deixadas para a autoridade administrativa da PGFN [Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional] ou da Receita Federal trazem insegurança jurídica ao contribuinte”, alertou.

Sobre a questão dos casos de relevante disseminado controvérsia jurídica, Mauro falou de emendas que a Unafisco Nacional apresentou para parlamentares e foram protocoladas na Câmara e no Senado para alterar o texto da MP 899/2019 em prol do fortalecimento da Classe e da Receita Federal. “[Os casos de relevante e disseminada controvérsia jurídica] eu acho dos pontos mais importantes das emendas dada a necessidade de se ter segurança jurídica”, ressaltou.

Mauro concluiu sua participação destacando a importância de regulamentar a transação tributária para que não estimule o contribuinte a ficar pulando de proposta em proposta, como aconteceu com o Refis.  “Feita uma proposta de transação, ele [contribuinte] não poderá participar de outra proposta de transação com as mesmas condições ou condições mais vantajosas”, enfatizou.

Entrevistas. Após o debate na comissão mista da medida provisória do Contribuinte Legal, o presidente da Unafisco deu entrevistas para TV e Rádio Senado destacando que a MP 899 permitirá “que grandes devedores tenham parcelamentos eternos, o que terá impacto na arrecadação do país”.

Mauro Silva disse que o texto da lei precisa ser mais específico, por exemplo, informando quem vai decidir sobre a transação. “É importante que os termos da transação sejam sempre divulgados para que os contribuintes sejam tratados de forma isonômica e não haja situações especiais para esse ou aquele contribuinte”, enfatizou Mauro.

 

Abaixo, assista na íntegra à explanação de Mauro Silva.

Manter o elemento P

Ver todas as notícias


ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]

Valor da mensalidade da Unafisco
Para ativos e aposentados: R$ 95,56.
Para pensionistas: R$ 71,67.

Por gentileza, antes de continuar, responda à questão abaixo:

ALGUM ASSOCIADO O INDICOU PARA SE FILIAR À UNAFISCO?


SIM

NÃO

ASSOCIE-SE À UNAFISCO NACIONAL
[X]