O serviço Público continua no protagonismo na maior economia capitalista. A equipe econômica de Joe Biden deverá aumentar o financiamento para a Receita Federal dos EUA em US$ 80 bilhões, o que apoiará parte da robusta agenda estatal de desenvolvimento econômico, que vem sendo anunciada desde o início do ano. Confira detalhes aqui: Novos tempos: setor privado em xeque

A ideia da equipe de Biden é custear parte do programa “American Families Plan” com base nos esforços de fiscalização e modernização da Receita Federal norte americana. O investimento de US$ 80 bilhões, escalonado em 10 anos, deverá ser 70% maior do que os investimentos recebidos na última década pelo órgão.

A intenção de tornar mais equilibrado o campo tributário entre trabalhadores, classe média e altas rendas vem sendo constantemente comunicado por Biden porém, agora, além das novas alíquotas, há também  expectativa de um pronunciamento no Congresso na quarta-feira (5/5) em que será detalhado o plano de capacitação do IRS.

Esse anúncio de fortalecimento do serviço público deverá ocorrer em um cenário em que a agência federal de arrecadação norte americana segue perdendo servidores e acumula defasagem tecnológica.

Fortalecimento de Fiscalização X Competição Econômica Justa

A deterioração de recursos do IRS já havia sido detalhada no ano passado, após relatório do Congresso, em levantamento feito entre 2010 e 2018, o qual aponta redução de 22% nas equipes e de 20% no orçamento além de cortes de quase um terço no financiamento para atividades de fiscalização. As consequências foram sentidas na aplicação das leis fiscais, que tiveram redução de 46% nas avaliações de declarações individuais  e de 37% nas corporativas. O chefe do IRS, Charles Rettig, também falou este mês sobre a falta de recursos e a incapacidade para lidar com a evasão fiscal, incluindo fraudes com criptomoedas. O reforço na capacidade de fiscalização também foi comentado do ponto de vista das empresas. Para Chye-Ching Huang, diretor executivo do Tax Law Center em N.Y.U “Impedir que as fraudes fiscais tenham uma vantagem injusta ajuda as empresas honestas a competir e prosperar.”.